Música

Clássicos do rap que completam 25 anos em 2021 — Parte 2

1996 foi um dos anos mais icônicos da história do gênero

Como destacado na matéria anterior (leia aqui), o ano de 1996 foi um dos mais importantes da história do rap em termos de lançamentos. A Pista reuniu os principais trabalhos do período em questão. A maior parte dos projetos citados, desta vez, está na categoria do rap underground. Nomes como DJ Shadow, Foxy Brown e Xzibit divulgaram os primeiros discos de suas respectivas carreiras que deslanchariam a partir daí.

  • DJ Shadow — “Endtroducing…”
Capa de “Endtroducing…”

“Endtroducing…” foi o primeiro lançamento do beatmaker DJ Shadow. O projeto é composto inteiramente de samples e é considerado um clássico do rap instrumental e underground. É boom-bap fino e da melhor qualidade, uma audição obrigatória para todos os fãs dessa escola de produção.

O álbum é como uma odisseia pela mente criativa do produtor nascido na Califórnia. O disco é recheado de diversas texturas e samples dos mais variados gêneros musicais.

Melhores músicas: “Building Steam With A Grain Of Salt”, “Changeling” / “Transmission 1”, “Stem / Long Stem (Medley)” e “Midnight in a Perfect World”.

  • Foxy Brown — “Ill Na Na”
Capa de “Ill Na Na”

Ill Na Na” foi o primeiro disco da Foxy Brown. O projeto tem participações de grandes artistas da época como Jay-Z, Method Man, Havoc (Mobb Deep) e Kid Capri.

Lançado pela Def Jam, o álbum mescla uma sonoridade mais underground em algumas faixas com sons de pegada mais comercial para a rádio. Foxy, na época, era integrante do super grupo de rap The Firm ao lado de Nas, AZ e Cormega.

Em “Ill Na Na”, a rapper de NY mostra o porquê de ser uma das MCs mais importantes da história do hip-hop feminino.

Melhores músicas: “The Promise (feat. Havoc)”, “If I…”, “The Chase”, “Ill Na Na (feat. Method Man)” e “I’ll Be (feat. Jay-Z)”.

  • Xzibit — “At the Speed of Life”
Capa de “At the Speed of Life

At the Speed of Life” foi o álbum de estreia do Xzibit, que depois se tornaria uma figura-chave da cena musical da costa oeste nos anos 2000 ao lado de artistas como Dr. Dre, Snoop Dogg e Nate Dogg.

A agressividade que perpassa o estilo do rapper nascido em Detroit, que depois se mudaria para a Califórnia, casa perfeitamente com os beats clássicos de boom-bap e característicos da sonoridade underground do período.

O disco traz um dos principais hits da carreira do artista: a música “Paparazzi”, uma crítica ao materialismo de alguns dos MCs da época. Outro destaque é a faixa “The Foundation”, uma carta com lições de vida direcionadas ao filho recém-nascido de Xzibit.

Melhores músicas: “At The Speed Of Life”, “Eyes May Shine”, “Paparazzi” e “The Foundation”.

  • Redman — “Muddy Waters”
Capa de “Muddy Waters”

Muddy Watersfoi o terceiro álbum de estúdio do Redman. O projeto tem participações de artistas como Method Man, Keith Murray e Erick Sermon.

Redman, um dos rappers mais importantes dos anos 90, mostra sua desenvoltura habitual nas rimas e seu senso de humor característico em cada faixa do trabalho.

O MC de New Jersey produziu a maior parte das músicas ao lado de Erick Sermon, seu amigo e colaborador frequente da gravadora Def Jam.

Melhores músicas: “Rock Da Spot”, “Pick It Up”, “Whateva Man” (feat. Erick Sermon), “Do What Ya Feel” (feat. Method Man)” e “Da Bump”.

  • M.O.P. — “Firing Squad”
Capa de “Firing Squad”

Firing Squad” foi o segundo álbum de estúdio do M.O.P., dupla formada pelos rappers Lil ‘Fame e Billy Danze. A sonoridade e o estilo de seus integrantes se caracteriza pela agressividade.

O grupo é natural de NY e incorpora parte da tradição lírica e o estilo do rap da região. O grande DJ Premier (Gang Starr) produziu a maior parte das faixas do projeto.

Melhores músicas: “Firing Squad” (feat. Teflon), “New Jack City (feat. Telflon), “Stick to Ya Gunz” (feat. Kool G Rap) e “World Famous”.


Leia também:

Clássicos do rap que completam 25 anos em 2021 — Parte 1

Entrevista: O beatmaker SonoTWS fala sobre seu processo criativo e a cena do boom bap

A importância do sample e do vinil para a cultura hip-hop

Genius e o compromisso de tentar explicar o rap

1 comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: