Sem categoria

Genius e o compromisso de tentar explicar o rap

“Seguindo as regras, todo mundo pode produzir para o Genius e deixar a sua marca”, comenta Jhonatan Rodrigues

Logo do Genius

O Genius

Genius é uma página colaborativa em que qualquer pessoa pode escrever. O equivalente do Wikipédia para os fãs de música. O site, criado em 2009, nos EUA, por Mahbod Moghadam, Tom Lehman e Ilan Zechory, originalmente só disponibilizava conteúdo relacionado ao rap. Pelo sucesso de público e acesso, o site começou a diversificar mais seu conteúdo e incluir gêneros musicais além do rap. O nome do site, inicialmente, era Rap Genius, hoje é só Genius.

O conteúdo do Genius não se resume somente a letras de músicas e suas anotações, há também seções destinadas à literatura e a política, além de análises de discursos históricos, poesias de autores consagrados etc. Essa variedade de conteúdo é visível no Genius Americano, mas as filiais de outros países ainda lutam para expandir seu conteúdo, que é mais concentrado no rap, antes de começarem a diversificar o conteúdo disponibilizado.

A principal diferença do Genius para outros sites de letras da música é a interatividade. Qualquer pessoa cadastrada pode anotar e contribuir com a página. Depois da anotação, ela é automaticamente incorporada à letra e fica visível para qualquer um que clicar no trecho da música anotado. Essa anotação não é definitiva, outros usuários podem opinar sobre ela por meio de comentários, classificá-la como relevante ou não, clicando em upvote em caso de aprovação ou downvote em caso contrário, os moderadores e editores tem a voz final na decisão da incorporação ou não daquela anotação.

O Genius incentiva a pesquisa nos mais variados meios para ajudar a expandir a database do site e também servir, por meio de discussões em seu fórum, como um ambiente de debate e troca de ideias entre usuários. É uma comunidade em que pessoas com interesse em comum podem se conhecer e compartilhar conhecimento. Siglas são destrinchadas, referências são explicadas por fãs de rap e também pelos próprios rappers. É encorajada a utilização de links, como vídeos do Youtube, e imagens para contribuir com a ilustração e explicação dos versos.

O site disponibiliza um guia para as pessoas que querem contribuir com anotações. As normas incluem a obrigatoriedade da utilização de gramática correta e concisão textual.

Para anotar determinado trecho da música, é só selecionar a parte do texto que o usuário deseja explicar e instantaneamente aparecerá a opção de “anotar”. A cada anotação, o usuário aumenta seu “QI” no site.

Genius Brasil

O Genius se profissionalizou e hoje é uma empresa. E como toda empresa, ele tem filiais por todo o mundo. Não poderia faltar uma no Brasil. A oficialização da filial brasileira do Genius aconteceu em 2014.

“O embrião do Genius Brasil surgiu ainda em 2011 como Rap Genius Brazil, ele logo foi engavetado pelas pessoas que organizavam. Em meados de 2012 e 2013, o Genius Brasil começou a dar os primeiros passos, com algumas pessoas do staff que são brasileiras radicadas nos EUA no comando. A oficialização de fato foi em 2014”, explica Jhonatan Rodrigues de 21 anos, natural de Criciúma, SC, um dos moderadores do Genius Brasil. Ele é usuário do site desde 2011, vira editor em 2012 e, no ano seguinte, tornou-se primeiro moderador nacional, cargo que ocupa há três anos.

Outro membro da equipe de Genius é o editor Vinicius Rocha, de 20 anos, natural de Belém, PA, usuário do Genius entre 2011 e 2012. O Genius teve uma influência muito grande na sua vida, ele se diz uma pessoa diferente após conhecer a comunidade. “Tudo que sei de rap veio do Genius, aprendi várias técnicas, até minha noção de interpretação melhorou com o Genius”, comenta.

Vinar (nome de usuário de Vinicius no Genius) virou editor após ver o álbum “Sem Cortesia”, do Síntese, de que ele gosta muito, incompleto no site e decidiu completá-lo por conta própria, arriscando-se sozinho na edição. O moderador Kray curtiu sua iniciativa e o convidou a fazer parte da equipe. Mesmo após virar editor, Vinar não se prende somente à supervisão das anotações dos outros usuários, ele também gosta de anotar como um usuário comum. Além de ser fã de Síntese, ele também curte o trampo de BK’ e do Makalister e costuma anotar bastante o rap nacional. “Prefiro anotar aqueles rappers mais complexos, que são os que precisam de mais anotação mesmo”, explica.

A equipe de moderadores supervisiona os editores, que são responsáveis por fiscalizar as anotações, avaliando a relevância, a coerência e a coesão do texto e se aquela informação acrescentou valor à descrição da letra e facilitou seu entendimento. Os moderadores também podem exercer paralelamente a função de editor, mas essa não é sua principal atribuição. Na hierarquia, eles estão um nível acima dos editores e parte de seu papel é atribuir cargos a outros usuários.

O contraste

O Genius Americano tem uma estrutura profissional, que conta com funcionários fixos e uma sede oficial localizada no Brooklyn em Nova York. É uma situação completamente diferente da realidade da filial brasileira. No Brasil, as pessoas que fazem parte da equipe fazem pelo amor a cultura e tem que sacrificar tempo da sua vida pessoal para ajudar o site. O único funcionário oficial é Dalmo Mendonça, nascido em Nova York, que se mudou para Belo Horizonte com poucos anos de idade e depois acabou voltando para os Estados Unidos, onde participou de um processo seletivo para entrar no Genius em 2014.

“O Genius americano tem uma estrutura muito maior, sendo que lá é onde fica a sede. Eles contratam jornalistas como o Rob Markman, que trabalhou em inúmeras revistas e sites na última década, dando liberdade criativa ao mesmo para ele mostrar o que sabe. Em minha opinião, ele é um dos grandes motivos do Genius ter tanto contato com os artistas nos dias de hoje. Aqui é tudo mais difícil, quem faz o trampo, faz por amor. A estrutura é complicada, devido ao fato do site não ter uma sede e a equipe ser espalhada pelo Brasil. O contato com os artistas vem aumentando nos últimos anos no Genius Brasil, mas existe uma certa limitação no trabalho feito com eles”, explica Jhonatan.

Nesses tempos de bombardeio de informações que vivemos na internet, é um alívio a existência de uma comunidade como o Genius que democratiza o debate e celebra a existência de vozes dissidentes. Pessoas com interesse em comum debatem civilizadamente no fórum do site e podem expandir seu leque de conhecimento sobre suas músicas e seus artistas preferidos.

“Quando uma pessoa vai ler uma matéria sobre determinado assunto pela primeira vez, pois ela se interessou e quer aprender, às vezes ela vai ter que ir atrás de muitas outras coisas para entendê-la. O Genius permite uma extensa gama de conteúdo para essa pessoa em apenas uma página com as anotações, facilitando muito as coisas. Há também a quantidade de perspectivas sobre determinado assunto que automaticamente cria debates entre os membros e toda a comunidade. E por último, somos uma comunidade, então todos nós podemos criar conteúdo, isso não se limita a um ou dois autores. Seguindo as regras, todo mundo pode produzir para o Genius e deixar a sua marca.”, comenta Jhonatan.

Rappers também podem se cadastrar no Genius. Eles devem entrar em contato com os moderadores para autentificarem suas contas, como no Facebook e no Twitter, e também podem explicar suas músicas. O artista tem a palavra final nas anotações de suas letras.

2 comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: