Sem categoria

“Loucuras de um Gênio”: a vida de Daniel Johnston

O documentário de Jeff Feuerzeig nos apresenta a trajetória de um artista mentalmente atormentado

“The Devil and Daniel Johnston” ou “Loucuras de um Gênio” é um documentário de 2005 dirigido por Jeff Feuerzeig. Na obra, o diretor e também roteirista norte-americano, se propõe a mostrar quem foi Daniel Johnston – o excêntrico artista, cantor e compositor que sofria de bipolaridade grave e de episódios de alucinação.

Daniel Johnston se tornou um marco musical no começo da década de 80. Seu primeiro trabalho a ganhar notoriedade foi o álbum “Hi, How Are You: The Unfinished Album”, que foi totalmente produzido na garagem de sua casa de maneira independente e gravado em fitas cassete – o que particularmente transmitiu ao trabalho uma sonoridade originalmente orgânica e lo-fi, com elementos “noise” e por vezes o uso do violão e do teclado. Daniel chamava-o de “álbum inacabado” pelo fato de ter sido produzido em meio a uma de suas crises depressivas.

O documentário teve sucesso em expor toda a genialidade precoce de Daniel – suas primeiras canções feitas em casa, ilustrações e até mesmo os curtas caseiros que gravava – por meio de imagens de arquivo e edições inteligentes feitas pelo diretor, que mesclam gravações com a produção artística do cantor. Aspectos estes, que renderam a Jeff Feuerzeig o Prêmio de Melhor Direção no Festival de Sundance.

No documentário somos apresentados a um Daniel no começo de sua adolescência, vemos os traços marcantes que formaram o início de sua personalidade excêntrica e criativa. É possível notar sua predisposição para o ramo artístico – pois passava a maior parte do tempo em seu quarto, onde com sua introspecção transpunha sua arte da forma mais pura e verdadeira.

Daniel Johnston aos 22 anos segurando a fita cassete de seu primeiro álbum.

O sonho de Daniel sempre foi eventualmente se tornar um artista, sonho pelo qual sempre buscou, mesmo com as reprimendas constantes de sua mãe (relato breve presente na música “The Story Of An Artist”). Mas devido à sua genialidade como artista, Dani sempre encontrou dificuldades em se encaixar nos moldes básicos da sociedade.

A depressão aparece em sua vida pela primeira vez ao entrar na universidade e conhecer Laurie – sua primeira paixão e frustração amorosa. Daniel nutriu uma obsessão por Laurie no decorrer dos anos. Sua musa o inspirou em muitas de suas canções, gerando até mesmo um EP próprio chamado “Laurie EP”. Esse amor impossível certamente foi o que deu início a sua instabilidade mental.

“Ela inspirou mil canções, e então eu soube que eu era um artista”.

Daniel Johnston

Em conseguinte, outros eventos contribuíram para a piora de sua condição: sua fuga de casa, o contato com o cenário musical underground em Austin, o advento da fama pelo álbum “Hi, How Are You” e o contato com as drogas (principalmente com o LSD). Após estes acontecimentos Daniel nunca mais foi o mesmo, vivia constantemente acessos de delírio, além de episódios de loucura e paranoia – seus pensamentos fora da realidade refletiram consideravelmente sua produção artística a partir de então.

O cantor não foi capaz de usufruir da fama que adquiriu a principio, pois passou boa parte do tempo internado em clínicas de tratamento psiquiátrico. No entanto, suas músicas caíram na adoração popular, cativando artistas como Steve Shelley da banda Sonic Youth, Jad Fair (em determinado momento Jad e Dani produziram um álbum colaborativo chamado “It’s Spooky”) e de Kurt Cobain do Nirvana.

Flea (na esquerda) e Kurt Cobain (na direita), fotografado vestindo a camiseta do álbum “Hi, How Are You”

O documentário enfatiza de forma objetiva a parte autêntica de Daniel Johnston; é possível notar sua originalidade pessoal e artística. Suas produções partiam de seu mais profundo íntimo e fugiam da convenção de emular sentimentos. O artista viveu a maior parte do tempo no limiar entre a insanidade e sua própria arte. Embora considerado pelo público um artista outsider, Daniel entrou para a história da música ao lado de outros gênios incompreendidos, como Ian Curtis, Johnny Cash, Jim Morrison e o próprio Kurt Cobain.

Daniel faleceu de infarto em 2019 aos 58 anos. No fim da vida morava com seus pais e seu quadro mental era estável e bastante positivo. O artista ainda costumava realizar pequenas apresentações e era considerado por muitos uma lenda viva.

O filme está temporariamente disponível na plataforma de streaming MUBI.

Apresentação de Daniel Johnston no Tiny Desk Concert

Siga-nos nas redes sociais (FacebookTwitter e Instagram) fique por dentro das nossas matérias sobre cinema, literatura, música e sociedade!

Leia também:

#APistaIndica: O que assistir no MUBI

“Ema”: o mais novo filme de Pablo Larraín

“O Som do Silêncio” e o cinema sensorial

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: